• Xando Vilela

EDITORIAL - (RE)NASCE O TOCANDO IDEIAS.

Atualizado: 4 de Ago de 2019

Nunca é tarde para (re)começar!

#jornalismocultural #resistência #editorial #blog #blogue #jornalistaindependente #ritmosdepernambuco #culturapopular #pernambuco #cultura #publicação



Olá, pessoas!


Sejam todos e todas bem-vindos e bem-vindas a este blog que fala sobre diferentes linguagens artísticas, cultura popular (em especial a pernambucana), comportamento (para não enferrujar minha formação em psicologia) e tantos outros temas aleatórios possíveis!


Comecei a gostar dessa história de arte ainda criança nas aulas de música do Colégio Monsenhor Adelmar em Garanhuns - PE, minha cidade natal. Ganhei até um prêmio de ator revelação da XI Mostra de Artes Cênicas da cidade em 2014. Ao terminar o ensino médio em 2007 vim para a capital pernambucana com o objetivo de fazer graduação em Rádio, TV e Internet para voltar a minha terra e ser locutor da Rádio Jornal. Mas, porém, entretanto.... a estrada da vida me colocou de frente para algumas encruzilhadas e decidi explorar outros caminhos. Me formei como técnico e tecnólogo em segurança do trabalho, passei em um concurso público em 2014 para ser professor do IFPE, me formei psicólogo, e neste momento estou próximo de concluir o bacharelado em jornalismo.


No meio desse caminho precisava relaxar um pouco, afinal, a vida acadêmica é muito exaustiva e quando se trabalha e estuda ao mesmo tempo realmente se faz importante ter uma atividade para espairecer as ideias. Decidi em 2008 entrar no Maracatu Várzea do Capibaribe e a partir daí fui me aprofundando nos estudos sobre a cultura popular pernambucana e suas míticas.


Em 2016, após o golpe político contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, comecei a postar vídeos sobre músicas infantis no YouTube para não pensar tanto em política, ou melhor, não pensar nas articulações que culminaram na eleição de um representante do qual não citarei o nome, o que me fez reacender o desejo de voltar um pouco minhas energias para a formação em comunicação social.


Em janeiro de 2017 elaborei um projeto para webtv chamado "Ritmos de Pernambuco", que surgiu com o objetivo de registrar manifestações da cultura popular e valorizar os artistas locais através de entrevistas e reportagens. A primeira temporada, exibida pela página do Facebook Cine TV Nordeste, contou com 7 programas. Devido à falta de recursos pessoais e apoios culturais tive que parar o projeto.


Após reavaliar a experiência senti que teria a possibilidade de alcançar mais pessoas. Refiz o projeto e entreguei em algumas emissoras de TV aqui de Recife. Uma delas basicamente quis me aplicar um golpe; outra disse que entraria em contato em uma semana (se passaram 3 anos); e uma delas me chamou para uma conversa sincera e objetiva. Assim, em outubro de 2017 estava na sala da direção da TV Nova Nordeste para assinar um contrato de três meses onde o Ritmos de Pernambuco entraria no ar em TV aberta na segunda semana de janeiro de 2018 e assim aconteceu. Ao todo foram 37 programas exibidos, 80 artistas entrevistados e 5 eventos estaduais de grande porte ao longo de 1 ano e 2 meses na casa.


Em março de 2019 senti a necessidade de viver a cultura popular, para poder falar com mais propriedade sobre os temas que iria abordar no programa. O Ritmos de Pernambuco precisava de um tempo para oxigenar as ideias, além de contar mais uma vez com seu maior obstáculo: a falta de investimento ou apoio de empresas em um produto audiovisual que fale com as minorias e artistas da região.


Impressionante o quanto já ouvi que a arte e cultura popular são importantes, mas que elas "não dão retorno" quando se fala em apoio cultural / patrocínio... Na hora de explorar a cultura economicamente através do consumo de artesanatos, bolo de rolo, carnaval e festas juninas tudo fica lindo, mas na hora de valorizar os brincantes populares que levam um ano inteiro para desenvolver essas manifestações ou registrar esses processos criativos o que se observa é uma bela virada de costas.


Uma vez alguém me falou o seguinte "quer produzir conteúdo pensando nessa gente, vá para a internet e que fique por lá!". Na hora bateu uma bad mas agora me sinto mais confortável com esta fala, afinal de contas aqui na internet tenho liberdade editorial sobre o conteúdo que produzo. E, meu querido, liberdade não tem preço! Por isso o Ritmos de Pernambuco continuará vivo no YouTube!


Muitas vezes tentei credenciamento para cobrir eventos culturais organizados pelo governo estadual e por produtoras privadas mas as respostas, em 75% das solicitações foi um belo não!

- Esse veículo que você está não tem peso / não tem um grande alcance...

- Quantos inscritos tem mesmo seu canal? Há quantos anos você está no mercado?

- O que eu ganho (ou pior: o quanto vou ganhar) com sua cobertura do evento?

- Infelizmente não será possível te credenciar. (afinal você não é um dos nossos "baba-ovos" e nem está de casinho com "fulano" ou ainda a máxima "não és filho de beltrano").


Juro que muitas vezes fiquei desmotivado e chutei o balde, mas ao mesmo tempo encontrei com uma galera tão do bem pelo caminho, pessoas que me inspiraram tanto que tenho convicção que vale mais a pena acreditar na causa do que desistir dela.


Por isso estou aqui reativando este blog! Quero oportunizar voz e espaço para divulgar trabalhos, sonhos, questionamentos e outras demandas das quais compartilho e acredito e que são divididas por outras pessoas que enxergam na arte e no estabelecimento de vínculos afetivos uma oportunidade de transformar o mundo em um lugar melhor e mais colorido.


Nunca é tarde para criar ou ressignificar algo em nossa vida. E desta forma esse editorial dá um pontapé ao renascimento do "Tocando Ideias".


Este blog, fundado há dois anos, teve todas as suas postagens anteriores apagadas para assim renovar as energias neste novo ciclo, que se inicia agora.

Ah, sim! No mais, para se fazer arte e amar ao próximo não se precisa de credenciamento, troca de "favores" e dinheiro. (talkey?)



Xando Vilela

75 visualizações4 comentários

© 2019 por Xando Vilela

TODAS AS GRAVURAS FORAM DESENVOLVIDAS PELO ARTISTA PERRON RAMOS © 2019

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W